Por Kk De Paula, do DNAzul

Além de entregar um gol num jogo onde nós que deveríamos comandar o placar, o Avaí não soube sair da marcação imposta pela Chapecoense.

Nossos laterais não funcionaram como alas; Cléber Santana foi muito bem marcado; Robinho não soube chamar o jogo pra si e Maria mexeu muito tarde.

E confesso que as substituições que ele fez, eu faria diferente.

Eu manteria Aelson no jogo. Tiraria Robinho e Felipe.

Colocaria Palhinha e Maurício.

Acho que deveria continuar tentando abrir jogadas pelas alas para vencer o bloqueio e colocar outro  meia jogando ao lado do Cléber, já que Robinho esteve mal. Felipe prendeu muito a bola e não acrescentou quase nada no ataque avaiano.

Maria demorou nas substituições.

E a Chapecoense continuou comandando e ditando o ritmo do jogo no segundo tempo.

Teve contra ataques perigosos.

Entregamos um gol e não tivemos qualidade tanto pela meia, quanto nas alas pra criar chances verdadeiras de gol. Faltou também jogadas individuais de qualidade. Um jogador que soubesse driblar seu marcador.

A Chapecoense marca homem a homem.

Escapamos de perder o jogo.

Em alguns momentos a coisa ficou mesmo bagunçada taticamente.

Pelo que se propôs a Chapecoense para o jogo de hoje, a nota deles é 8,0.

Pelo que jogou  o Avaí,  muita transpiração (e um Maria)  hoje, de pouca inspiração, nota 4,0.

Renato Santos fez muita falta.

Cássio não tem a mesma postura e desenvoltura do Reanto e foi quem começou errando no gol que tomamos.

Aelson terminou a besteira.

Esse foi o jogo que eu vi.

Mas não pense que termina aqui o campeonato pra nós.

Tem mais noventa minutos. E o jogo precisa ser jogado, ainda.